Publicações

Revista de Cultura, Edição em Chinês n.º 116 (RCC)

MOP 150.00
MOP 135.00

Por favor consulte o índice

Revista de Cultura, Edição Internacional n.º 70 (RCI)

MOP 150.00
MOP 135.00

Edição número 70 celebra em 2022 o bicentenário de A Abelha da China, o primeiro periódico de língua portuguesa em Macau e de língua estrangeira da China.

Fábrica de Panchões Iec Long (Edição Actualizada)

MOP 80.00

Por favor consulte o índice

Memórias, Viagens e Viajantes Franceses por Macau (1609-1900) (1º Vol. A 4º Vol.)

MOP 920.00

Resultado de quase uma década de investigações primárias em bibliotecas e arquivos centrais, regionais e privados da França, esta obra em quatro demorados volumes publica e estuda uma impressiva colecção de 295 memórias textuais de Macau escritas entre 1609 e 1900. Reúnem-se a 20 textos do século XVII, 57 do século XVIII, pertencendo os restantes em número de 97 à primeira metade do século XIX para 121 da segunda metade de oitocentos. Produzidos pelos mais diferentes autores e editores, estendendo-se por prestigiados viajantes marítimos a missionários, militares, diplomatas, médicos da marinha, geógrafos, jornalistas, cientistas ou os primeiros assumidos turistas, estas memórias em viagem por Macau iluminam os mais diversos aspectos da vida social, económica, das gentes e dos espaços que tornaram Macau um território fundamental para o acesso da França ao grande império do meio. Se alguns destes autores são tão humildes como o tanoeiro Laurentin-Justin Dessales que ditou porque quase não sabia escrever o que viu de Macau em 1838, outros textos trazem o prestígio dos escritores e ensaístas maiores como Chrétien-Louis Joseph de Guignes, Agricol-Joseph Fortia D’Urban, Jean-Ferdinand Denis, Léon Gozlan, René de Pont-Jest, Philibert Audebrand, Louis Henri Boussenard, Paul Bonnetain ou mesmo do grande Honoré de Balzac que mobilizou o melhor da sua prosa para contar em 1842 a legenda do templo de A-Má visto e admirado nas telas do seu íntimo amigo, o pintor Auguste Borget que teve a sorte de ser encontrado em Valparaíso pelo grande comerciante de ópio e de cules muito bem instalado em Macau que foi o poderoso Jean Antoine Durand. Volumes muito ocupados a editar com rigor estas 295 memórias que, deslindando autorias e apurando os seus sentidos narrativos, oferecem também aos leitores vários outros capítulos em que se estuda sobretudo com as metódicas da história cultural a oceânica atenção intelectual, diplomática e política que aproximou sucessivamente a França de Macau, culminando até 1859 com a activa presença dos seus embaixadores nomeados para ministros plenipotenciários na China que transformaram a legação francesa na cidade num dos principais espaços de sociabilidade elitária e cosmopolita epocais. Se entre 1857 e 1862 a ofensiva colonial francesa na Indochina e a sua participação militar na chamada segunda guerra do ópio ergueram mesmo um hospital militar em Macau, tratando mais de 2000 feridos franceses, o profundo interesse da França pela pequena terra do delta do rio das Pérolas mobilizava enorme atenção tanto da imprensa diária quanto de muitas revistas científicas e literárias que, a cruzar a esta biblioteca única de memórias vezes 295, ajudam a perceber quanto a imaginação francesa da cidade, das suas pessoas e coisas contribuiu generosamente para escorar a representação cultural com que se foi seleccionando em textos e imagéticas o que se queria destacar como património e história de Macau. Não admira, por isso, que estes textos tenham mesmo sido lidos por autores portugueses para neles encontrarem a representação cultural de Macau que ficou.

Legado Centenário - Pinturas de Edifícios e Paisagens de Macau do Museu de Arte de Macau

MOP 270.00

Este livro inclui pinturas do século XVIII ao XXI de pintores de Macau e outros não locais, com temas da paisagem e arquitectura de Macau, apresentando o legado arquitectónico e a conotação cultural do Património Mundial da cidade, revelando artistas e eventos que marcaram o desenvolvimento da arte ocidental em Macau. Composto por três secções, nomeadamente, “Visitantes de Longe”, “Um Caleidoscópio” e “Cidade de Fascínio”, o livro apresenta 83 obras seleccionadas da colecção do Museu de Arte de Macau, que englobam obras-primas dos primórdios das artes plásticas em Macau, gravuras e ilustrações de artistas ocidentais, bem como esboços, aguarelas, pinturas a óleo, obras a tinta e gravuras a partir do século XX. As obras ilustram o percurso de artistas de renome de Macau em diferentes épocas. (Edição bilingue em Chinês e Inglês)

Revista de Cultura, Edição Internacional n.º 69 (RCI)

MOP 150.00
MOP 135.00

Uma tese centrada na transformação e expansão planeadas da paisagem urbana de Macau de meados do séc. XIX ao início do séc. XX é o destaque da edição número 69.

Revista de Cultura, Edição em Chinês n.º 115 (RCC)

MOP 150.00
MOP 135.00

Por favor consulte o índice

Nas Zhao Zhao - Um Longo Dia

MOP 400.00

Zhao Zhao é uma figura representativa entre a nova geração de artistas chineses. Foi nomeado pela Modern Painters como um dos 25 artistas mundiais a ter em atenção em 2014. Zhao Zhao: Um Longo Dia é o catálogo da exposição homónima que apresenta as suas criações artísticas com características culturais e que visa apresentar o novo panorama da arte contemporânea chinesa em Macau, uma cidade de encontro entre o Oriente e o Ocidente. Nas suas actividades criativas, o artista investiga as subtis mudanças de ideias nas pessoas impactadas pelo multiculturalismo. O conceito de combinar nas suas obras a expressão artística contemporânea com a cultura tradicional é uma metáfora das condições de vida das pessoas no actual contexto global e do seu verdadeiro estatuto na sociedade moderna. Este catálogo inclui imagens de todas as peças expostas, acompanhadas por breves textos introdutórios e legendas explicativas.